Falar dos malefícios causados pelo cigarro é “chover no molhado”.

Estranho é que mesmo os prejuízos sendo amplamente veiculados (é só olhar o verso do maço), o tabaco continua sendo a substância de abuso mais consumida no Brasil.

Vamos mudar esse cenário?

Ano novo, vida nova! Para aqueles que fizeram a famosa promessa de parar de fumar esse ano, aqui vão algumas medidas que podem te ajudar a obter êxito:

– Encontre motivações pessoais para abandonar o vício (acredite, esse é o melhor e mais duradouro “remédio”).

– Inicie terapia. O cigarro te traz problemas e os problemas te levam ao cigarro. É preciso quebrar o ciclo.

– Procure seu psiquiatra ou médico de confiança para indicar o tratamento medicamentoso. 

Os medicamentos que auxiliam na interrupção são divididos em duas categorias: 

1) Os que realizam reposição de nicotina e tem como objetivo reduzir a “fissura” e os demais sintomas de abstinência (adesivo, goma de mascar, pastilha);

2) Os não nicotínicos, que diminuem a satisfação ao fumar (bupropiona, vareniclina, nortriptilina).

Não existe remédio milagroso, não acredite em propagandas de televisão. Procure profissionais de qualidade para te ajudar!

Autora: Dra Nicole de Oliveira Mazzeto – médica psiquiatra

IPECS

https://ipecs.com.br

Voltado para o ensino, pesquisa e assistência nas áreas de psicologia e educação, o IPECS – Instituto de Psicologia, Educação, Comportamento e Saúde, destaca-se no ensino da Neuropsicologia Clínica, da Psicologia Clínica com enfoque na abordagem cognitivo-comportamental e na psicologia da saúde. Nossos profissionais são altamente qualificados (livre-docentes, mestres e doutores), considerados referências nacionais em seus campos de pesquisa.

Deixe uma resposta