O desenvolvimento infantil e aprendizagem

O desenvolvimento infantil refere-se às mudanças que ocorrem quando a criança cresce e se desenvolve em relação a ser fisicamente, mentalmente, emocionalmente saudável e socialmente competente e pronto para aprender.

Os primeiros cinco anos da vida de uma criança são de fundamental importância. Eles são a base que molda a saúde futura da criança, felicidade, crescimento, desenvolvimento e aprendizado na escola, na família e na comunidade e na vida em geral.

Pesquisas recentes confirmam que os primeiros cinco anos são particularmente importantes para o desenvolvimento do cérebro da criança, e os três primeiros são os mais críticos na formação da arquitetura cerebral da criança. As primeiras experiências fornecem a base para o desenvolvimento organizacional e o funcionamento do cérebro ao longo da vida. Eles têm um impacto direto sobre como as crianças desenvolvem habilidades de aprendizado, bem como habilidades sociais e emocionais.

As crianças aprendem mais rapidamente durante seus primeiros anos do que em qualquer outro momento da vida. Eles precisam de amor e carinho para desenvolver um senso de confiança e segurança que se transforma em confiança à medida que crescem.

Bebês e crianças pequenas crescem, aprendem e se desenvolvem rapidamente quando recebem amor e carinho, atenção, incentivo e estímulo mental, além de refeições nutritivas e bons cuidados de saúde.

Compreender os estágios do desenvolvimento infantil ajuda os pais a saber o que esperar e como melhor apoiar a criança à medida que ela cresce e se desenvolve.

Em muitos contextos, os programas da primeira infância apoiam os pais e seus filhos desde a infância até os 8 anos de idade, o que inclui a importante transição de casa para a escola.

Todas as crianças têm o direito de ser criadas em uma família e ter acesso a cuidados de saúde de qualidade, boa nutrição, educação, brincadeira e proteção contra danos, abuso e discriminação. As crianças têm o direito de crescer em um ambiente no qual estão habilitadas a atingir todo o seu potencial na vida.

É dever dos pais, de outros cuidadores e familiares, comunidades, sociedade civil e governos garantir que esses direitos sejam respeitados, protegidos e cumpridos.

Os primeiros anos, especialmente os três primeiros anos de vida, são muito importantes para a construção do cérebro do bebê. Tudo o que ela vê, toca, prova, cheira ou ouve ajuda a moldar o cérebro para pensar, sentir, se mover e aprender.

Os bebês aprendem rapidamente a partir do momento do nascimento. Eles crescem e aprendem melhor quando pais atentos e atenciosos e outros cuidadores lhes dão carinho, atenção e estímulo, além de boa nutrição, cuidados e proteção adequados à saúde.

Incentivar as crianças a brincar e explorar ajuda-as a aprender e se desenvolver social, emocionalmente, fisicamente e intelectualmente. Isso ajuda as crianças a se prepararem para a escola.

As crianças aprendem a se comportar (social e emocionalmente) imitando o comportamento das pessoas mais próximas a elas.

Entrar na escola é fundamental para garantir a continuidade do desenvolvimento da criança. O apoio dos pais, de outros cuidadores, professores e da comunidade é muito importante.

Todas as crianças crescem e se desenvolvem em padrões semelhantes, mas cada criança se desenvolve no seu próprio ritmo. Toda criança tem seus próprios interesses, temperamento, estilo de interação social e abordagem à aprendizagem.

O cérebro da criança cresce quando ela vê, sente, prova, cheira e ouve. Cada vez que a criança usa um dos sentidos, é feita uma conexão neural no cérebro da criança. Novas experiências repetidas muitas vezes ajudam a fazer novas conexões, que moldam a maneira como a criança pensa, sente, se comporta e aprende agora e no futuro.

Um relacionamento próximo entre a criança e o cuidador é a melhor maneira de nutrir o cérebro em crescimento da criança. Quando um cuidador brinca e canta, fala, lê ou conta uma história para a criança e a nutre com comida, amor e carinho saudáveis, o cérebro da criança cresce. Ser saudável, interagir com os cuidadores e viver em um ambiente seguro e limpo pode fazer uma grande diferença no crescimento, desenvolvimento e potencial futuro da criança.

Os bebês precisam de muito cuidado e carinho nos primeiros anos. Segurar, abraçar e conversar com a criança estimula o crescimento cerebral e promove o desenvolvimento emocional. Manter-se perto da mãe e amamentar sob demanda proporciona ao bebê uma sensação de segurança emocional. O bebê amamenta para nutrição e conforto.

Para crianças pequenas, chorar é uma maneira de se comunicar. Responder ao choro da criança segurando e / ou conversando tranquilamente com ela ajudará a estabelecer um senso de confiança e segurança.

Esse tipo de vínculo e apego precoce à mãe, pai ou outro cuidador próximo ajuda a criança a desenvolver uma ampla gama de habilidades para usar e desenvolver ao longo da vida. Isso inclui a capacidade de:

  • aprender
  • ser autoconfiante e ter alta auto-estima
  • tem habilidades sociais positivas
  • ter relacionamentos bem sucedidos em idades posteriores
  • desenvolver um senso de empatia.

À medida que o cérebro das crianças se desenvolve, o mesmo ocorre com as emoções, reais e poderosas. As crianças podem ficar frustradas se não conseguirem fazer algo ou se desejarem algo. Eles geralmente têm medo de estranhos, novas situações ou do escuro. Crianças cujas reações são ridicularizadas, punidas ou ignoradas podem crescer tímidas e incapazes de expressar emoções normalmente. Se os cuidadores forem pacientes e solidários quando uma criança expressar emoções fortes, é mais provável que ela cresça feliz, segura e bem equilibrada.

Meninos e meninas têm as mesmas necessidades físicas, mentais, emocionais e sociais. Ambos têm a mesma capacidade de aprender. Ambos têm a mesma necessidade de carinho, atenção e aprovação.

As crianças pequenas podem sofrer estresse excessivo se forem punidas física ou emocionalmente, forem expostas à violência, negligenciadas ou abusadas ou viverem em famílias com doenças mentais, como depressão ou abuso de substâncias. Essas tensões interferem no desenvolvimento do cérebro e podem levar a atrasos cognitivos, sociais e emocionais e problemas de comportamento na infância e mais tarde na vida.

As crianças que são punidas física ou mentalmente com raiva têm mais probabilidade de se tornarem violentas. As formas mais positivas e eficazes de abordar o comportamento das crianças podem incluir:

  1. fornecer à criança explicações claras sobre o que fazer e o que não fazer
  2. responder consistentemente a certos comportamentos
  3. elogiar o bom comportamento.

Essas respostas dos pais e de outros cuidadores incentivam os filhos a se tornarem membros bem ajustados e produtivos da família e da comunidade. Ambos os pais, assim como outros membros da família, precisam se envolver no cuidado e nutrição do crescimento, aprendizado e desenvolvimento das crianças. Eles devem fazer com que meninas e meninos se sintam igualmente valorizados, pois os incentivam a aprender e explorar – essa é uma preparação importante para a escola. Mães em todo o mundo geralmente assumem o papel principal de abordar os direitos e necessidades de seus filhos. Eles amam, alimentam, consolam, ensinam, brincam e cuidam de seus filhos. O papel do pai é tão vital quanto o da mãe em cuidar e cuidar dos filhos e proteger seus direitos. Um pai deve fazer com que filhas e filhos sintam que são igualmente importantes. Assim como a mãe, o pai pode ajudar a atender às necessidades de amor, carinho, aprovação, encorajamento e estímulo do filho. Juntos, mãe e pai podem garantir que a criança receba uma educação de qualidade, boa nutrição e cuidados de saúde.

Referencia: Neaum, S. (2019). Child Development for Early years students and practitioners. Learning Matters.

IPECS

https://ipecs.com.br

Voltado para o ensino, pesquisa e assistência nas áreas de psicologia e educação, o IPECS – Instituto de Psicologia, Educação, Comportamento e Saúde, destaca-se no ensino da Neuropsicologia Clínica, da Psicologia Clínica com enfoque na abordagem cognitivo-comportamental e na psicologia da saúde. Nossos profissionais são altamente qualificados (livre-docentes, mestres e doutores), considerados referências nacionais em seus campos de pesquisa.

Deixe uma resposta