Quarentena ou isolamento físico

Quarentena ou isolamento físico, usado por séculos para conter a propagação da infecção, isola aqueles que foram (ou podem ter) sido infectados por uma doença contagiosa para controlar ou limitar a contaminação.

O COVID-19, um novo coronavírus relatado pela primeira vez em Wuhan, China, no final de 2019, espalhou-se rapidamente pelo mundo, tornando-se uma pandemia. Estratégias modernas de quarentena foram impostas globalmente em uma tentativa de reduzir a propagação da infecção por COVID-19, incluindo bloqueios de curto a médio prazo, toque de recolher voluntário em casa, restrição à reunião de grupos de pessoas, cancelamento de eventos sociais e públicos planejados, encerramento de sistemas de transporte público e outras restrições de viagem.

Essas restrições impostas por causa do surto de COVID-19 causaram perturbações significativas globalmente e a indivíduos, famílias, comunidades e países inteiros. Eles afetaram muito (se não todos) a população mundial; alterar drasticamente o que é familiar e complicar aspectos da vida cotidiana que antes eram simples e descomplicados. Para muitas pessoas, a vida cotidiana muda drasticamente, e os modos de vida “normais”, como os conhecemos, são suspensos indefinidamente.

Quarentena ou isolamento impostos é uma experiência desconhecida e desagradável que envolve a separação dos amigos e da família e um afastamento das rotinas diárias comuns. Muitas atividades comuns são proibidas e, em algumas situações, como em correções e outros contextos penitenciários, o isolamento é uma forma de punição ou censura.

Sabe-se que o isolamento causa problemas psicossociais, especialmente para aqueles reconhecidos como vulneráveis. Enquanto todos os seres humanos correm o risco de danos psicológicos quando mantidos em isolamento, os mais vulneráveis ​​nessas situações são crianças e adolescentes, idosos, grupos minoritários, pertencentes a grupos socioeconômicos inferiores, mulheres e pessoas com condições de saúde mental pré-existentes ( Perrin, McCabe, Everly e Links, 2009).

Mudanças nos modos de vida habituais podem fazer com que as pessoas se sintam ansiosas e inseguras – os sentimentos de insegurança podem estar associados ao nexo de contágio da doença e medo, por exemplo, não sabendo a causa ou progressão da doença e os resultados, rumores e desinformação que podem levar discriminação ou marginalismo de pessoas de descendência específica.

A necessidade de apoio social é maior em tempos de situações e eventos adversos, como a atual pandemia; portanto, interromper o apoio social como parte de uma estratégia imposta de quarentena ou isolamento pode ameaçar o senso de conexão de um indivíduo e causar um impacto considerável na saúde mental (Hawryluck et al., 2004).

Os resultados sérios associados ao isolamento de um grande número de pessoas em quarentena significa que essas decisões são tomadas apenas nas situações mais graves.

O isolamento social associado à quarentena pode ser o catalisador de muitas sequelas de saúde mental, mesmo em pessoas que estavam bem antes. Isso pode incluir distúrbios agudos do estresse, irritabilidade, insônia, angústia emocional e transtornos do humor, incluindo sintomas depressivos, medo e pânico, ansiedade e estresse devido a preocupações financeiras, frustração e tédio, solidão, falta de suprimentos e falta de comunicação (Bai et al. (2004); Brooks et al., 2020; Cava, Fay, Beanlands, McCay & Wignall, 2005; Desclaux, Badji, Ndione, & Sow, 2017; Hawryluck et al., 2004). Além disso, quanto mais uma pessoa fica confinada à quarentena, mais pobres são os resultados da saúde mental; especificamente, sintomas de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), comportamento de esquiva e raiva, podem ser observados (Brooks et al., 2020).

Tempos mais longos na quarentena estão particularmente associados ao aumento dos sintomas do TEPT, o que pode indicar que a própria quarentena pode ser percebida e vivenciada como um evento traumático (Hawryluck et al., 2004). Outros estressores associados à quarentena podem incluir fornecimento irregular ou menor de suprimentos habituais, como itens alimentares e medicamentos, e restrição de atividades diárias de rotina (Brooks et al., 2020).

Os impactos negativos na saúde mental não param simplesmente, mas continuam após o período de quarentena.

Após a crise de saúde da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), uma série de comportamentos de prevenção, como contato direto reduzido com outras pessoas e multidões, menos contato social, evitando locais fechados e públicos, sem retornar ao trabalho (Marjanovic, Greenglass & Coffey, 2007) e mudanças comportamentais de longo prazo, por exemplo, lavagem excessiva das mãos, foram relatadas pós-quarentena (Reynolds et al., 2008).

Os profissionais de saúde que foram colocados em quarentena relataram sequelas negativas, incluindo resultados adversos na saúde mental, por exemplo, transtorno de estresse pós-traumático e sentimentos de isolamento, depressão, ansiedade, solidão e desamparo (Reynolds et al., 2008). Nesta situação atual, é provável que o pessoal de saúde sofra um estresse emocional associado a vários fatores, incluindo a escala de doenças e mortes que estão enfrentando; escassez de pessoal e recursos essenciais, incluindo equipamentos de proteção individual; tristeza; e sofrimento moral associado ao racionamento de cuidados e outros fatores (Jackson et al., 2020). Além de trabalhar em situações inseguras, com poucos recursos e moralmente angustiantes, os profissionais de saúde enfrentam sofrimento emocional causado pela incerteza clínica associada à falta de diretrizes clínicas, ambiguidade sobre a trajetória da pandemia e preocupações com resultados a curto e longo prazo do surto (Smith, Ng, Li, & W., 2020).

Para pessoas com uma condição de saúde mental existente, o isolamento apresenta problemas mais graves (Goodman et al., 2001) e pode exacerbar sentimentos de ansiedade e raiva (Jeong et al., 2016).

As pessoas com doenças mentais graves provavelmente também serão afetadas pelo isolamento social (anterior) existente e outros problemas sociais que aumentam sua vulnerabilidade, como falta de moradia, solidão e saúde física precária. A falta de moradia coloca as pessoas em risco de uma série de maus resultados para a saúde (Wilson, McCloughen, Parr e Jackson, 2019), e esses riscos provavelmente serão agravados em uma pandemia.

Muitas pessoas com uma doença mental grave sofrerão uma exacerbação de seus sintomas pré-existentes como resultado de um desastre (Math et al., 2008). Além disso, eles têm um risco maior de desenvolver TEPT após um evento traumático (Goodman et al., 2001). As pessoas em tratamento para uma variedade de condições, como alcoolismo e outros problemas semelhantes, também podem estar vulneráveis ​​a contratempos e complicações adicionais decorrentes do isolamento social forçado. Muitas pessoas nesses grupos vulneráveis ​​contam com apoios e programas que podem ser perdidos ou interrompidos devido a restrições associadas ao COVID-19.

Trazer as pessoas em segurança para a pandemia é o objetivo imediato – posteriormente, será necessário um grande esforço e recursos direcionados para garantir que os serviços que permitirão que as pessoas mantenham ou retornem ao funcionamento ideal sejam rapidamente restabelecidos (Milligan & McGuinness, 2009) .

Durante esse período de pandemia global, é muito importante continuar advogando para aqueles na comunidade que são particularmente vulneráveis ​​- aqueles que estão enfrentando essa pandemia com todo o estresse e incertezas ao seu redor – no contexto de considerável saúde mental existente e desafios sociais associados.

Nosso papel como defensores daqueles que são incapazes de falar ou serem efetivamente ouvidos nunca foi tão importante e, agora, mais do que nunca, é crucial que continuemos a trabalhar em colaboração e com determinação para garantir que todas as pessoas sejam mantidas o mais seguras e possíveis dentro das restrições da situação atual. Nossos pacientes, clientes e as comunidades que servimos dependem de nós.

Bai, Y. M., Lin, C.‐C., Lin, C.‐Y., Chen, J.‐Y., Chue, C.‐M., & Chou, P. (2004). Survey of stress reactions among health care workers involved with the SARS outbreak. Psychiatric Services, 55, 1055– 1057. https://doi.org/10.1176/appi.ps.55.9.1055

Brooks, S. K., Webster, R. K., Smith, L. E., Woodland, L., Wessely, S., Greenberg, N., & Rubin, G. J. (2020). The psychological impact of quarantine and how to reduce it: Rapid review of the evidence. Lancet, 395, 912– 920. https://doi.org/10.1016/S0140‐6736(20)30460‐8

Cava, M. A., Fay, K. E., Beanlands, H. J., McCay, E. A., & Wignall, R. (2005). The experience of quarantine for individuals affected by SARS in Toronto. Public Health Nursing, 22, 398– 406. https://doi.org/10.1111/j.0737‐1209.2005.220504.x

Desclaux, A., Badji, D., Ndione, A. G., & Sow, K. (2017). Accepted monitoring or endured quarantine? Ebola contacts’ perceptions in Senegal. Social Science in Medicine, 178, 38– 45. https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2017.02.009

Goodman, L. A., Salyers, M. P., Mueser, K. T., Rosenberg, S. D., Swartz, M., Essock, S. M., … Vidaver, R. M. (2001). Recent victimization in women and men with severe mental illness: Prevalence and correlates. Journal of Traumatic Stress, 14, 615– 632. https://doi.org/10.1023/A:1013026318450

Hawryluck, L., Gold, W. L., Robinson, S., Pogorski, S., Galea, S., & Styra, R. (2004). SARS control and psychological effects of quarantine, Toronto, Canada. Emerging Infectious Diseases, 10(7), 1206– 1212. https://doi.org/10.3201/eid1007.030703

Jackson, D., Bradbury‐Jones, C., Baptiste, D., Gelling, L., Morin, K., Neville, S., & Smith, G. D. (2020). Life in the pandemic: Some reflections on nursing in the context of COVID‐19. Journal of Clinical Nursing, 29(9‐10), 1425‐ 1428. https://doi.org/10.1111/jocn.15257

Jeong, H., Yim, H. W., Song, Y.‐J., Ki, M., Min, J. A., Cho, J., & Chae, J. H. (2016). Mental health status of people isolated due to Middle East respiratory syndrome. Epidemiology & Health, 38, e2016048.

Marjanovic, Z., Greenglass, E. R., & Coffey, S. (2007). The relevance of psychosocial variables and working conditions in predicting nurses’ coping strategies during the SARS crisis: An online questionnaire survey. International Journal of Nursing Studies, 44, 991– 998. https://doi.org/10.1016/j.ijnurstu.2006.02.012

Math, S. B., John, J. P., Girimaji, S. C., Benegal, V., Sunny, B., Krishnakanth, K., … Nagaraja, D. (2008). Comparative study of psychiatric morbidity among the displaced and non‐displaced populations in the Andaman Nicobar Islands following the tsunami. Prehospital and Disaster Medicine, 23, 29– 34.

Milligan, G., & McGuiness, T. (2009). Mental health needs in a post‐disaster environment. Journal of Psychiatric Nursing & Mental Health Services, 47(9), 23– 30.

Perrin, P. C., McCabe, O. L., Everly, G. S., & Links, J. M. (2009). Preparing for an influenza pandemic: mental health considerations. Prehospital and Disaster Medicine, 24(3), 223– 230.

Reynolds, D. L., Garay, J. R., Deamond, S. L., Moran, M. K., Gold, W., & Styra, R. (2008). Understanding, compliance and psychological impact of the SARS quarantine experience. Epidemiology & Infection, 136, 997– 1007. https://doi.org/10.1017/S0950268807009156

Smith, G. D., Ng, F., & Ho Cheung Li, W. (2020). COVID‐19: Emerging compassion, courage and resilience in the face of misinformation and adversity. Journal of Clinical Nursing. https://doi.org/10.1111/jocn.15231

Wilson, S., McCloughen, A., Parr, J., & Jackson, D. (2019). “If you are homeless you are welcome here”: Social obligations for the homeless and socially disadvantaged. Journal of Clinical Nursing, 28, 2721– 2723. https://doi.org/10.1111/jocn.14851

IPECS

https://ipecs.com.br

Voltado para o ensino, pesquisa e assistência nas áreas de psicologia e educação, o IPECS – Instituto de Psicologia, Educação, Comportamento e Saúde, destaca-se no ensino da Neuropsicologia Clínica, da Psicologia Clínica com enfoque na abordagem cognitivo-comportamental e na psicologia da saúde. Nossos profissionais são altamente qualificados (livre-docentes, mestres e doutores), considerados referências nacionais em seus campos de pesquisa.

Deixe uma resposta